Teste - Nissan Qashqai 1.5dci

Eu não gosto de SUV's. 

Isto era o que eu pensava antes de ter experimentado um, era aquele tipo de birra que uma criança de 8 anos faz quando diz que não gosta sem nunca ter experimentado. Mas na minha cabeça um SUV é um veículo bastante redundante, é um carro que não serve para off-road, mas também é um carro que não é muito eficiente em estrada, é um carro grande e caro em termos de manutenção por causa de ser mais alto e ter pneus maiores, o que faz com que seja mais pesado, mais lento e mais gastador de combustível... Mas a verdade é que as pessoas adoram o conceito e foi a Nissan que massificou os SUV com o Qashqai. 

Esta review não é sobre o último facelift, mas sim, do Qashqai que foi introduzido em 2014, apesar deste carro em particular ter sido matriculado em 2017.

E o que é que eu achei? Bem, eu achei o carro brilhante, mas ao mesmo tempo se for uma pessoa completamente racional, não me convence. 

Porque é que é brilhante?

1 - Design: O design deste carro é espectacular ponto. Se a primeira geração do Qashqai era assim a dar para o feinho, esta segunda geração é sexy, musculada e com um design de vanguarda. O carro tem uma presença espectacular ainda para mais com as jantes de 18 polegadas, que a nível visual são de facto excelentes, mas em prática, são uma verdadeira nódoa, mas já lá vou a esse pormenor.

2 - Muito equipamento: Esta unidade do Qashqai está muito bem equipada e tem algumas coisas que depois de se experimentar vão passar a valorizar bastante e uma delas são as câmaras e sensores de estacionamento a 360º. É um gadget até bastante necessário para estacionar o Qashqai em lugares apertados. Depois temos GPS, Lane Assis, Hill Assist, Brake Assist (trava sozinho se aparecer um obstáculo à frente), tem tecto panorâmico, A/C Dual Zone, Cruise Control, Luzes inteligentes (para além de acender as luzes automaticamente, também acende e apaga os máximos automáticamente) e tem também uma bagageira generosa com vários compartimentos.

3 - Experiência de condução: Conduzir um SUV dá sem dúvida uma sensação de poder e segurança que é muito agradável de se ter. É um carro super confortável para fazer viagens longas, é um carro que absorve melhor os impactos dos buracos e irregularidades da estrada e é um carro que está muito bem insonorizado. Fazer uma viagem neste carro é uma experiência bastante calma (excepto quando puxam muito pelo motor, pois aí nota-se bem o motor a trabalhar)

Porque é que este carro não me convence se for completamente racional? 

1 - Motor: O 1.5 dci de 110 cv é mais do que suficiente para um Pulsar que pesa cerca de 1250kg, mas para o Qashqai que pesa 1350kg, noto que é apenas um motor suficiente. As acelerações não são tão explosivas como o Pulsar, e em subidas íngremes é necessário trabalhar um pouco com a caixa. Para além disso os consumos no Qashqai são bem mais acentuados que no Pulsar. Se no Pulsar é fácil obter médias na casa dos 3 ou 4 litros, no Qashqai é difícil obter médias na casa dos 5 litros, sendo os 6 litros a média que a maioria das pessoas vai conseguir atingir neste carro. 

2 - Os interiores: Apesar de terem um feel, mais premium e tecnológico, não deixam de ser extremamente parecidos com os interiores do Pulsar. O volante é igual, a caixa de velocidades é igual, a maioria dos botões são iguais. Felizmente o facelift do Qashqai já apresenta melhorias neste departamento.

3 - Jantes de 18 polegadas: Apesar de serem muito bonitas e darem uma presença ao carro bastante atraente a verdade é que estas jantes não são as melhores para quem procura uma viagem mais confortável, pois estas jantes nota-se bem todas as irregularidades da estrada. É um sacrifício de conforto para obter um look mais cool. 

4 - Espaço: Apesar de ser um SUV a verdade é que o Qashqai não tem tanto espaço nos bancos de trás como o Pulsar e para além disso a bagageira de um e outro são praticamente a mesma coisa.

5 - Custos avultados: Comparando com o Pulsar com o mesmo nível de equipamento, um Qashqai custa mais 6000€ (comparativo de preços carros novos), o que é muito dinheiro. Para além disso, o Qashqai gasta mais combustível e tem jantes de 18 polegadas o que significa que quando precisarem de pneus, vão ter um conta bastante avultada. 


Antigamente as pessoas diziam que a compra de um carro desportivo não era uma compra racional, nem podia ser, mas curiosamente, não vejo ninguém a dizer o mesmo para um SUV. Talvez porque é um carro que agrade todos? As mulheres gostam de conduzir SUV's porque se sentem mais seguras e porque os SUV são carros extremamente confortáveis. Os homens gostam de SUV's porque são carros grandes e práticos e que se for preciso fazer um pequeno percurso off-roading simples, consegue. Mas a grande verdade é que quando começarem a fazer contas vão ver que ter um SUV não é uma decisão racional. Ter um SUV é como ter um desportivo, é uma forma de ostentação. Eu gosto muito mais do Qashqai do que alguma vez ia pensar que ia gostar, é um carro que nos atrai pelo seu design e pela sua tecnologia e quase que nos faz esquecer as outras áreas onde é menos bom. É um carro que me atrai bastante e por vezes, o melhor, é mesmo fazer a vontade ao coração.
Enviar um comentário

Mensagens populares