Test-Drive | Toyota MR2 (ano 2000/2001)

Eu sou um Standvirtualódependente e como quero comprar um carro desportivo para animar os meus fins de semana, ultimamente, as minhas visitas ao site têm sido incessantes e compulsivas. Ora uma visita logo de manhã quando acordo, com os meus filtros pré-definidos, outra à hora de almoço e uma mais geral e extensiva à noite. É uma forma de relaxar e é também uma forma de ir sonhando com o meu futuro carro. Depois de muita pesquisa e ponderação, passo para o envio de emails a fazer algumas perguntas que não vejo respondidas nas descrições e depois, finalmente, faço uma visita ao stand em questão para ver o carro ao vivo.


Ontem fui ver 2 Toyotas MR2, pois é um carro desportivo onde eu caibo perfeitamente, como relatado na minha última crónica, e porque é um carro muito especial. Odiado por muitos devido ao seu look e devido à ruptura com os seus antecessores, este patinho feio da Toyota teve vendas terríveis para a Toyota. No entanto trata-se de um dos melhores cabrios de 2 lugares disponíveis no mercado e trata-se de um carro extremamente divertido de conduzir graças à sua configuração de motor central e tração traseira. Se o quisesses apelidar de baby Porsche Boxster, não podia discordar. 

O primeiro Toyota MR2 que fui ver era de 2001 e tinha sofrido um pequeno acidente, apresentado o lado esquerdo com raspadelas e algumas amolgadelas. Para além disso o interior estava em muito mau estado. O preço era de 7900€ (todo arranjado) ou de 7000€ comprando o carro no estado em que se apresentava. Decidi fazer um test-drive de qualquer das formas, embora já tivesse na minha cabeça ideia de que aquele não era carro para mim. 

Assim que o vendedor e eu colocámos os cintos e o carro ligou, estava prestes a acontecer algo que me ia fazendo vomitar e agarrar bem ao banco. O vendedor esmaga de imediato o acelerador (qual deixar o motor atingir a temperatura certa, qual quê) e o carro catapulta-nos numa velocidade alucinante em poucos segundos. Não sei ao certo a velocidade que o carro atingiu, mas penso que se o vendedor fosse apanhado, nunca mais o iriam deixar aproximar de um carro outra vez. Depois de parar na borda da estrada, pensei que ía passar para os comandos do Toyota MR2, mas o vendedor, virou-se e disse: "Isto é só para profissionais, e só porque o carro tem um diferencial autoblocante da Toyota." E dito isto, saca-me um pião de 360º. Nesta altura o meu almoço estava prestes a ser a nova decoração do tablier do MR2. 
O carro afinal de contas estava mexido e com o acionar de um botão, que desligava tudo o que era electrónico, incluíndo o alternador, ficava com cerca de 200cv nas rodas. Não admira que tivesse atingido aquela velocidade alucinante em tão pouco tempo. No final, fiquei muito contente em sair daquele stand e ir ter com o próximo Toyota MR2.


O Toyota MR2 número 2 era preto e estava em óptimas condições tanto por fora, como por dentro. Tinha duas ou três coisas a rectificar, mas no geral, estava em excelente estado. Ah! E não estava mexido, estava completamente original. Passei logo aos comandos do carro e claro, o carro não tinha aquela explosão doida e descontrolada do MR2 em esteróides que tinha experimentado anteriormente, mas ainda assim tinha uma aceleração bastante satisfatória e não foi preciso muito para atingir os 100km/h (7,9 segundos). A direcção é igual a de um kart, super directa, o carro em curva era muito estável (graças às suas vias largas e à óptima distribuição de peso), o carro era super ágil e simplesmente divertido de conduzir. Podia-mos dar qualquer comando ao carro que ele obedecia e nada de sustos. Para apanhar sustos neste carro, é necessário puxá-lo mesmo aos limites e esse limite chega muito depois do que uma pessoa está à espera, no entanto, tenho de avisar, que quando o carro chega ao limite é melhor estar preparado.

O MR2 é um carro super leve e com o motor Toyota 1.8 de 140cv, tem uma relação peso potência bastante interessante. Para além disso é muito económico. O facto de ter corrente em vez de correia de distribuição faz com que seja um motor em que basta mudar o óleo, os filtros e as velas para se aguentar anos e anos. Os consumos esses são de apenas 6,5 L/100km. Daí que é o perfeito exemplo de carro desportivo que consegue ser tão económico como um citadino. 

Podes levar tudo o que tu quiseres dentro do MR2, desde que caiba neste minúsculo compartimento.

Entre o Toyota MR2 e o Mazda MX5 qual é o que gostei mais? Bem, para ser feita uma comparação justa, teria de experimentar o 1.8 da Mazda no MX5 que tem cilindrada e potência similares ao MR2, mas daquilo que posso dizer é que o Toyota MR2 nota-se que é um carro bem mais moderno do que um Mazda MX5 do mesmo ano e nota-se que é uma máquina mais focada no prazer de condução. Todos os compromissos que a Toyota fez neste MR2, foram única e simplesmente focados na experiência da condução. Não existe sequer espaço para colocar um saco de compras no Toyota. O Mazda MX-5 é um carro que pode ir ao supermercado. E esta é a grande diferença dos dois. O Toyota MR2 é um carro para conduzir do ponto A ao ponto A. Não é carro para ir de férias, não é carro para ir às compras, não é carro para levar para o trabalho, é um carro para conduzir só pelo prazer de conduzir e deus abençoe a Toyota por ter feito o MR2 assim. É o brinquedo perfeito para o homem que só quer um brinquedo, sem compromissos. 
Ontem fui ver 2 Toyotas MR2, pois é um carro desportivo onde eu caibo perfeitamente,mo relatado na minha última crónica, e porque é um carro muito especial. Odiado por muitos devido ao seu look e devido à ruptura com os seus antecessores, este patinho feio da Toyota teve vendas terríveis para a Toyota. No entanto trata-se de um dos melhores cabrios de 2 lugares disponíveis no mercado e trata-se de um carro extremamente divertido de conduzir graças à sua configuração de motor central e tração traseira. Se o quisesses apelidar de baby Porsche Boxster, não podia discordar. 

O primeiro Toyota MR2 que fui ver era de 2001 e tinha sofrido um pequeno acidente, apresentado o lado esquerdo com raspadelas e algumas amolgadelas. Para além disso o interior estava em muito mau estado. O preço era de 7900€ (todo arranjado) ou de 7000€ comprando o carro no estado em que se apresentava. Decidi fazer um test-drive de qualquer das formas, embora já tivesse na minha cabeça ideia de que aquele não era carro para mim. 

Assim que o vendedor e eu colocámos os cintos e o carro ligou, estava prestes a acontecer algo que me ia fazendo vomitar e agarrar bem ao banco. O vendedor esmaga de imediato o acelerador (qual deixar o motor atingir a temperatura certa, qual quê) e o carro catapulta-nos numa velocidade alucinante em poucos segundos. Não sei ao certo a velocidade que o carro atingiu, mas penso que se o vendedor fosse apanhado, nunca mais o iriam deixar aproximar de um carro outra vez. Depois de parar na borda da estrada, pensei que ía passar para os comandos do Toyota MR2, mas o vendedor, virou-se e disse: "Isto é só para profissionais, e só porque o carro tem um diferencial autoblocante da Toyota." E dito isto, saca-me um pião de 360º. Nesta altura o meu almoço estava prestes a ser a nova decoração do tablier do MR2. 
O carro afinal de contas estava mexido e com o acionar de um botão, que desligava tudo o que era electrónico, incluíndo o alternador, ficava com cerca de 200cv nas rodas. Não admira que tivesse atingido aquela velocidade alucinante em tão pouco tempo. No final, fiquei muito contente em sair daquele stand e ir ter com o próximo Toyota MR2.


O Toyota MR2 número 2 era preto e estava em óptimas condições tanto por fora, como por dentro. Tinha duas ou três coisas a rectificar, mas no geral, estava em excelente estado. Ah! E não estava mexido, estava completamente original. Passei logo aos comandos do carro e claro, o carro não tinha aquela explosão doida e descontrolada do MR2 em esteróides que tinha experimentado anteriormente, mas ainda assim tinha uma aceleração bastante satisfatória e não foi preciso muito para atingir os 100km/h (7,9 segundos). A direcção é igual a de um kart, super directa, o carro em curva era muito estável (graças às suas vias largas e à óptima distribuição de peso), o carro era super ágil e simplesmente divertido de conduzir. Podia-mos dar qualquer comando ao carro que ele obedecia e nada de sustos. Para apanhar sustos neste carro, é necessário puxá-lo mesmo aos limites e esse limite chega muito depois do que uma pessoa está à espera, no entanto, tenho de avisar, que quando o carro chega ao limite é melhor estar preparado.

O MR2 é um carro super leve e com o motor Toyota 1.8 de 140cv, tem uma relação peso potência bastante interessante. Para além disso é muito económico. O facto de ter corrente em vez de correia de distribuição faz com que seja um motor em que basta mudar o óleo, os filtros e as velas para se aguentar anos e anos. Os consumos esses são de apenas 6,5 L/100km. Daí que é o perfeito exemplo de carro desportivo que consegue ser tão económico como um citadino. 

Podes levar tudo o que tu quiseres dentro do MR2, desde que caiba neste minúsculo compartimento.

Entre o Toyota MR2 e o Mazda MX5 qual é o que gostei mais? Bem, para ser feita uma comparação justa, teria de experimentar o 1.8 da Mazda no MX5 que tem cilindrada e potência similares ao MR2, mas daquilo que posso dizer é que o Toyota MR2 nota-se que é um carro bem mais moderno do que um Mazda MX5 do mesmo ano e nota-se que é uma máquina mais focada no prazer de condução. Todos os compromissos que a Toyota fez neste MR2, foram única e simplesmente focados na experiência da condução. Não existe sequer espaço para colocar um saco de compras no Toyota. O Mazda MX-5 é um carro que pode ir ao supermercado. E esta é a grande diferença dos dois. O Toyota MR2 é um carro para conduzir do ponto A ao ponto A. Não é carro para ir de férias, não é carro para ir às compras, não é carro para levar para o trabalho, é um carro para conduzir só pelo prazer de conduzir e deus abençoe a Toyota por ter feito o MR2 assim. É o brinquedo perfeito para o homem que só quer um brinquedo, sem compromissos. 
Enviar um comentário

Mensagens populares